FILME | KONG: A Ilha da Caveira

segunda-feira, abril 24, 2017

Por Danilo Briano:

Antes de começar esse post, esclareço sobre essa coluna que dou início hoje. Pensei que seria interessante trazer para o blog impressões, comentários e reflexões sobre filmes e séries. Assim como na literatura, no cinema também temos muitas produções boas outras nem tanto; algumas que exaltam os valores e virtudes outras que deturpam os mesmos etc. Então de vez enquanto vou trazer alguma produção cinematográfica ou série para divagar um pouco.

A intenção não é analisar tecnicamente como um expert do assunto, até mesmo porque não é o meu caso, mas refletir sobre o que estamos assistindo. Para tanto, já adianto que esses posts terão spoilers. Espero que gostem!

Vamos ao primeiro filme.


KONG: A ILHA DA CAVEIRA


O filme começa com um pesquisador bastante interessado em desbravar uma ilha misteriosa, que faz um lobby com um senador para bancar as despesas da viagem e receber apoio militar. Ele consegue os recursos e contrata um staff para participar dessa empreitada. A equipe começa a viagem rumo ao lugar desconhecido e enfrenta já no trajeto muitos desafios.

Destaco alguns aspectos interessantes:

Obsessão
O pesquisador e o comandante do exército percebem o céu negro e o mar furioso. Isso era um sinal claro para o adiamento daquela viagem, que poderia colocar em perigo não só eles mesmos, mas toda a tripulação. Apesar disso, eles partem em sua missão.

Muitas vezes somos assim: Não escutamos a opinião das pessoas ao nosso redor, e partimos em direção a problemas desnecessários, tudo por causa da nossa obsessão para saciar o nosso ego. Nossos objetivos e desejos na maioria das vezes não são para um bem maior, mas para preencher o vazio de um coração materialista - a idolatria do eu.

Necessidade de dominação
Ao passarem pela tormenta com bastante dificuldade, a equipe composta por alguns helicópteros das forças armadas americanas começaram a bombardear a Ilha da caveira. O objetivo era demonstrar poder, tal como feito pelos europeus quando adentraram no continente americano. Eles buscavam obter vantagens naquela ilha, não pensaram na fauna e flora do lugar, somente queriam usufruir das riquezas da região e serem conhecidos por alcançarem lugares onde ninguém jamais pensou existir. O bombardeio visava principalmente enfraquecer qualquer possível resistência de nativos da região e em menor escala, somente o sadismo de jogar bombas aleatoriamente.

Justiça
Após o período do bombardeio, apareceu o temível KONG, o deus da Ilha da caveira. Confesso que quando vi um gorila tão imponente e irado com aquelas bombas sendo jogadas naquela ilha e destruindo sem nenhuma piedade os helicópteros do Exército e matando alguns tripulantes da expedição, entre soldados e civis, pensei em um animal cruel, porém ele estava apenas protegendo os "seus súditos", se ele era o deus daquele lugar, ele teria que eliminar qualquer ameaça contra os habitantes daquela ilha. Se aquele terrível macaco somente aceitasse de forma passiva aqueles ataques, ele estaria negligenciando um cuidado com os seus súditos.

Misericórdia
Houve alguns remanescentes do ataque de Kong aos helicópteros. Destes que sobraram, alguns ainda tentaram destruir o grande macaco, sendo o principal deles o comandante do exército. Este comandante, junto com os seus subordinados tentaram contra sua vida, e quase conseguiram matá-lo se não fosse pela intervenção da fotógrafa da expedição e do mercenário inglês contratado.

Quando Kong já estava bem debilitado, a ameaça “real” da ilha apareceu: Um lagarto gigante habitante do subsolo. Kong enfrentou esse monstro para defender a sua ilha. Ele conseguiu matar o monstro, salvar a fotógrafa do afogamento e ainda, pasmem, agir de misericórdia para com os soldados que sob a ordem do comandante detonaram bombas e mísseis sobre ele, deixando-os partir para sua jornada de volta.

Conclusão
É um filme excelente, que expõe a natureza corrupta do homem, uma natureza egoísta e tendente a querer levar vantagem em todas as situações em contraste com a natureza de Kong, que apesar de ser um animal, agiu com dignidade ao enfrentar bombas por amor à sua ilha e demonstrou compaixão por pessoas que tentaram destruí-lo quando teve a oportunidade de matá-las e não o fez. O autor, em minha opinião, quis mostrar a humanidade do gorila em detrimento da selvageria humana, demonstrando uma visão pessimista da humanidade em geral.

***

+info: Kong: AIlha da Caveira / Lançamento: março de 2017 / Direção: Jordan Vogt-Roberts / Gênero: Aventura; Fantasia; Ação

TRAILER



---------------------------------------------------------------------------
Danilo Briano, 31 anos, casado com Vânia, membro da igreja presbiteriana comunidade da aliança. Alguém que ama leitura, uma boa conversa e aprender coisas novas. Autores favoritos: C.S.Lewis, Spurgeon e John Piper.

Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.