EU LI #38 | Mentiram para mim sobre o desarmamento, de Flavio Quintela e Bene Barbosa


Como mencionei no post anterior, diante do alarmante cenário brasileiro desse início de ano, e nem me refiro à política, mas à violência, vista principalmente nos presídios e no estado do Espírito Santo. Resolvi ler o instigante “Mentiram para mim sobre o desarmamento”, publicado em 2015 pela Vide Editorial.

A obra é o resultado entre a parceria de Flavio Quintela formado em Engenharia Elétrica, autor de “Mentiram (e muito) para mim”, e Bene Barbosa bacharel em Direito, especialista em segurança pública e fundador do Movimento Viva Brasil.

E tem uma proposta bem definida, desmascarar o movimento de desarmamento no Brasil promovido há décadas, mas só consolidado em 2003, pelo chamado Estatuto do Desarmamento lei nº 10.826/2003.

Para eles o desarmamento civil é uma das grandes estratégias dos governos mundiais para o controle social. Essa é a ideia central, por trás do desarmamento civil está a busca do Governo brasileiro (desde o FHC) pelo controle da população. Todos os capítulos - que tratam de diversos assuntos correlacionados com o desarmamento - estão voltados para esse eixo.

Os autores não só foram felizes na escolha do título provocativo, mas na estruturação da obra. Cada capítulo se propõe a refutar um argumento dos desarmamentistas, desmontando uma a uma as grandes mentiras propagadas principalmente pela mídia brasileira: 


"O governo quer desarmar as pessoas porque se preocupa com elas"

"Países desarmados são mais seguros"

"O desarmamento tem diminuído a criminalidade no Brasil" (etc.)



O livro conta com várias referências históricas - como um breve resumo do governo Getúlio Vargas versus os coronéis e cangaceiros, que achei bem interessante - e de pesquisas estatísticas de dados referentes ao Brasil e outros países; não apelando assim para achismos¹, sendo esse um ponto forte do livro, um assunto sério precisa ser tratado "de uma forma séria". A revisão do texto está ótima também.

Enfim como comentei lá no skoob (me adiciona lá), esse é um livro que todo brasileiro participante da realidade atual deveria ler. Independente da opinião do leitor, a favor ou contra o desarmamento, a leitura serve de alerta para o aumento constante da violência no país (crítico em 2017...), que não parece está preocupando de fato os governantes. Em outras palavras a violência tolerada (não combatida) retrata como os últimos governos, inclusive o atual, não têm tido nenhum respeito ou consideração pelo povo.

Quanto mais totalitário é um governo, maiores são as restrições ao armamento da população civil. Os regimes mais sanguinários da história foram também os mais eficientes em desarmar as pessoas, pois um povo desarmado é um povo incapaz de reagir contra um governo armado. Lembre-se: quem tem a força bélica tem o poder de impor sua vontade. Desarmamento é sinônimo de controle social; quem disser o contrário é ingênuo ou mal intencionado.


***
+ Info: Mentiram para mim sobre o desarmamento, de Flavio Quintela e Bene Barbosa / São Paulo: Vide Editorial, 2015 / 174 páginas

Classificação: ★★★★★
Grau de dificuldade: FÁCIL



¹ "achismos" - essa palavra não existe no dicionário, mas é uma expressão que quer dizer quando uma pessoa baseia um argumento em coisas que "ela acha" mas não pode provar ou não tem certeza.
  





2 comentários:

  1. Que interessante e enriquecedor parece ser esse livro.
    Sua resenha me deixou curiosa por essa leitura.
    http://coisasdemulhercris.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Val! É uma leitura necessária pra nós nesse momento tão difícil do país.
      Bjim

      Excluir

Deixe seu comentário! Vamos trocar ideias ;)

Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.