EU LI #23 | Na pele de Uma Jihadista, de Anna Erelle


Entre as leituras que realmente quero fazer - ou entre as leituras que planejei fazer - sempre acabo encaixando uma totalmente aleatória >_<. É o caso desse livro. Em uma visitinha no site da Amazon li o título, a sinopse, me interessei e click, comprei o e-book. Mas que bom, dessa vez eu acertei na escolha ^_^.

Na pele de Uma Jihadista foi publicado no Brasil em 2015 pela editora Paralela, a autora é uma jornalista francesa que escreve sob o pseudônimo "Anna Erelle"; que trabalhou durante muitos anos acompanhando os movimentos do Islã radical, estudando principalmente o fenômeno que vêm acontecendo na Europa (e em outros lugares), o alistamento de jovens ocidentais nos exércitos islâmicos. 

Examinando especificamente os hábitos desses jihadistas europeus do EI (Estado Islâmico) ela tentou compreender o que faz esses jovens se apropriarem dessa causa e abandonarem seu país, família, conforto.. tudo para ir matar e desafiar a morte. 


"...o termo "jihadista" tem sido usado por acadêmicos ocidentais desde os anos 1990, e mais frequentemente desde os ataques de 11 de setembro de 2001, como uma maneira de distinguir entre os muçulmanos sunitas não violentos e os violentos. Os jihadistas são os violentos."¹

Anna descreve como conseguiu informações importantes, inclusive com os próprios familiares desses jovens, mas enfrentava sérias dificuldades para publicar seus artigos, pois havia sempre muitas ameaças e perigos que envolviam terceiros. E já meio frustrada com isso e meio ao acaso [pelo menos é o que ela diz] através de um perfil alternativo [falso] no Facebook chamado "Mélodie" ela entra em contato com "Abu Bilel" um perigoso terrorista do EI, se passando por uma jovem francesa de 20 anos recém convertida ao Islã. O terrorista já no primeiro contato com "Mélodie" começa assedia-la a largar tudo e ir para a Síria. Ela por trás daquele perfil falso se depara então, com uma oportunidade única de investigar esse fenômeno mais de perto e decidi ir adiante nessas conversas com Abu Bilel. Do Facebook eles passam para conversas em vídeo pelo Skype, e ela conta como para resguardar-se chega a usar um hijab (conjunto de vestimentas da doutrina islâmica) nessas conversas.

Juntamente com outro jornalista, ela filma e documenta todo o contato com Abu Bilel, na intenção de publicar um super artigo em um dos jornais em que trabalhava.

Um hijab só revela o contorno do rosto sem deixar aparecer uma mecha sequer de cabelo.²

O livro retrata como as redes sociais - principalmente Youtube, Facebook e Skype - se tornaram as armas preferidas do Daesh (acrônimo árabe para a Organização Estado Islâmico). Veja o comentário de Anna sobre isso:

"... a organização terrorista opera usando sua arma de guerra favorita: a propaganda digital. A imagem antiquada dos talibãs vivendo como ermitões nas grutas afegãs limitava, até então, as vocações. Já a comunicação dos novos soldados 2.0 do jihad acerta o alvo. Inundando o Youtube com vídeos ultraviolentos, o Estado Islâmico impressiona milhares de ocidentais lobotomizados pela velocidade de ação e execução de suas ameaças. [...] Ávidos de reconhecimento, a maioria vai para a linha de frente com a ambição de postar na internet um foto sua de uniforme de soldado. Lá, terão uma importância inequívoca e ainda por cima o direito de exibi-la no Twitter ou no Facebook. Esses garotos tornam incrivelmente acertada e premonitória a célebre frase pronunciada em 1968 por Andy Warhol: "No futuro, todos terão direito a quinze minutos de fama mundial." [grifo meu]
Acompanhamos a história de "Mélodie" desde o início das conversas pelas redes sociais até o ponto em que ela marca o dia de ir para Síria encontrar-se com o terrorista. Se ela chega a ir ou não, você vai ter que ler pra saber ◠‿◠.

O assunto em si é muito interessante, o livro tem muitas informações a respeito de como funciona o recrutamento de jovens pelo EI, dos costumes dos jihadistas, da religião Islã, dos combates na Síria etc. A narrativa da jornalista é muito fluída, há certas descrições da vida pessoal dela que achei totalmente desnecessárias e cansativas, mas no geral a leitura é muito rápida e fácil. Recomendo para quem não sabe muito sobre o EI, mas tem interesse no assunto. Fiquei com vontade de ler mais sobre o tema, se você tiver alguma indicação de livro deixe nos comentários.


¹ Portal G1 "O que é o jihadismo?" consultado em 13 de maio de 2016 <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/12/o-que-e-o-jihadismo.html>
² Crédito Imagem: aqui

***

+info: Na pele de Uma Jihadista, de Anna Erelle / Editora Paralela, 2015 / 208 páginas / Gênero: não ficção, literatura jornalística

Classificação: 4 em 5 
Grau de dificuldade: FÁCIL

Compre na Amazon>>
Adicione no Skoob>>


Todos os direitos reservados. Tecnologia do Blogger.