FILME | Pantera Negra


Lembrando que esta resenha terá algumas doses de spoilers!

O filme retrata Wakanda. Um país que se encontra em território africano, com uma sociedade bastante avançada: boas condições de vida, medicina evoluída, baixos níveis de violência... Um país totalmente diferente da maioria dos países africanos, pois é uma nação bastante desenvolvida também em termos de infraestrutura de transportes, arquitetura e urbanismo... porém sem perca das características de um país africano - as cenas de danças simbolizando a cultura são sensacionais!

Dentro desse ambiente de tranquilidade, o rei morre. Seu filho, o príncipe T'Challa assume o trono, começando o seu reinado já com uma terrível preocupação: Eliminar o traficante do metal Vibranium, a principal fonte de riqueza mineral de Wakanda e grande alicerce da economia local.

T'Challa sai de Wakanda e vai "caçar" Ulysses, o responsável por divulgar esse recurso exclusivo de Wakanda para obter lucros advindos do tráfico do metal. Porém, Ulysses é morto e T'Challa se depara com um inimigo mais ameaçador, o americano Erik Killmonger, interpretado por Michael B. Jordan. Este homem perverso consegue entrar no território impenetrável de Wakanda com o corpo do grande vilão Wakandano: Ulysses!

Na verdade, Killmonger usou Ulysses como isca para ter o respeito da liderança de Wakanda, pois uma parte deles tinha uma séria restrição a T'Challa. Ele entra no palácio e propõe um desafio ao rei valendo o trono. Resumindo a ópera, Killmonger desbanca o atual rei e governa Wakanda com braço de ferro e com intenções de dominar as outras nações por meio do metal Vibranium. T'Challa porém, consegue reunir forças e lutar contra a tirania de Killmonger e consequentemente voltar ao seu trono de fato e de direito.

Vale a pena assistir?

Sim! O gráfico do filme é de cair o queixo, as cenas de ação são muito eletrizantes, os rituais simbolizando as tradições tribais africanas nos transportam para uma realidade totalmente diferente da nossa. As atuações dos atores estão sensacionais, eles incorporaram os papéis de forma magistral, especialmente Killmonger, um vilão realmente muito cruel sem traços caricatos e exagerados.

Porém, é importante dizer que toda essa produção expõe fortemente uma cosmovisão, ou seja, uma forma de enxergar o mundo nas diversas áreas da vida; e que todo o roteiro foi projetado para convencer o público da mesma. Eis algumas das minhas objeções a ela:

O Muro

O filme faz uma crítica velada ao fato de Wakanda se manter isolada do resto do mundo, não comercializar com os demais países, e se manter afastada de decisões das Nações Unidas nos assuntos globais. O que para mim é claramente uma tentativa de distorcer o conceito de soberania. Uma crítica perigosa e no mínimo infundada, pois qual país não defenderá o seu povo de ataques? Medidas de proteção territorial são importantes para a segurança de um povo contra ataques terroristas, entrada de drogas, entrada de pessoas em caráter ilegal etc.

Um país deve investir em sua segurança pela mesma lógica que utilizamos ao colocarmos grades nas nossas casas.

Vitimismo

Há uma clara intenção de amenizar os crimes bárbaros de Killmonger e até justificá-los pelo fato de seu pai, um traidor de Wakanda (que queria lucrar com a venda do Vibranium no mercado negro) ter morrido pelas mãos de T' Challa.


Killmonger cresceu nos Estados Unidos, teve uma carreira respeitável nas forças armadas, conseguiu seu espaço na sociedade, porém preferiu ser um assassino frio e calculista. Escolha que no roteiro é passada de tal forma como se seus traumas de infância justificassem seus atos. No final do filme, após perder o duelo com T' Challa ele diz que não quer "ficar preso como seus antepassados ficaram presos em navios negreiros", um claro exemplo de vitimismo para dar um ar de sentido para seus atos.

Obviamente que a escravidão e o tráfico negreiro representam um período lamentável da civilização humana, mas a meu ver a vinculação feita entre esses momentos angustiantes da história dos negros e o personagem que queria tomar o poder para escravizar outras nações (a tal supremacia negra) foi desastrosa.


***
+info: Pantera Negra / Lançamento: fevereiro de 2018 / Direção: Ryan Coogler / Gênero: Ação, Aventura, Ficção científica, Fantasia / Duração: 2h / Classificação: 14 anos

 TRAILER




 Danilo Briano, 1985, casado com Vânia, membro da Igreja Presbiteriana Comunidade da Aliança Recife/PE. Alguém que ama leitura, uma boa conversa e aprender coisas novas. Autores favoritos: C.S.Lewis, Spurgeon e John Piper. Facebook | Instagram

Instagram