Melhores leituras de 2017 (livros cristãos)


Eis aqui o post mais aguardado (ou não) desse nosso especial, a lista dos melhores livros que li em 2017. Escolhi 10 livros divididos em dois posts: cristãos e não cristãos. Antes porém é importante enfatizar que é uma lista elaborada a partir da minha experiência pessoal de leitura e que o fato de elencá-los aqui não significa que os considero perfeitos (ou sem defeitos), mas apenas como livros muito bons/ótimos/recomendados. Hoje eu compartilho os livros cristãos ;)

*para comprar qualquer um dos livros clique nos títulos
*para ler as impressões de leitura clique nas capas

Esse livro me surpreendeu bastante. Aprendi muita coisa sobre a pessoa de Jesus Cristo e o Cristianismo que eu não sabia. Lembro-me de ler a última página e sentir gratidão pela oportunidade de ter acesso ao conteúdo desse livro. Em uma sociedade que se considera pós cristã, Em defesa de Cristo, é uma leitura imperdível!



Cheguei até esse livro pesquisando os assuntos discutidos em Catacumbas de Roma (1957), vi que era uma ficção cristã e fiquei super interessada. A história retrata a perseguição dos primeiros cristãos. O enredo é muito simples e o final até previsível, mas eu chorei em mais de um momento durante a leitura. É impossível enquanto cristã, não se emocionar com essas páginas. Recomendo a leitura de As Catacumbas de Roma, livro citado de não ficção, seguida de O mártir das Catacumbas, a ordem que li e achei muito proveitosa. A história da Igreja não deve ser esquecida, a nossa liberdade custou o sangue de muitos.


Esse é um livro que me impactou demais em 2017, lembro-me de nem ter escrito minhas impressões, pois não tive condições de colocar em ordem meus pensamentos. Era justamente a mensagem certa no momento certo da minha vida. Sobre o que é o livro? Aí que tá, sobre muitas coisas... mas (vou tentar) basicamente Michael Horton lembra-nos da importância da simplicidade cristã, do valor das pequenas coisas... do dia-a-dia, do comum, do tradicional... em contraste à inquietante barulhenta (moderna) sociedade atual. Não sei se me fiz entender, mas recomendo muito esse livro, principalmente para aqueles que são cristãos há muitos anos. Penso em fazer uma releitura dele já em 2018, vamos ver.



Meu primeiro contato com Philip Yancey. Fiquei impactada não só com o conteúdo, mas com a escrita do autor. Ele tem o que é chamado de voz literária (estilo), em um pequeno parágrafo já é possível detectar isso; é incrível como ele ganha a nossa atenção e como é difícil (não impossível) discordar dele devido a forma sensacional que ele escreve. Falando do conteúdo, o assunto é o problema do sofrimento e é desenvolvido de uma forma tão sincera e próxima a nós - sabe aquelas perguntas que você não tem coragem de fazer em voz alta referente ao sofrimento do mundo? Porque Deus permite tanta maldade? Se Deus é bom como pode ter tanta criança sofrendo no mundo? Onde Deus estava quando isso aconteceu?... Então, ele faz. Por um momento parece que ele vai entrar por um caminho sem saída, mas ele entra e consegue sair nos levando junto ainda. Quero ler outros títulos dele urgentemente. 



Outro livro que me impactou demais em 2017. Nunca tinha ouvido falar desse autor, nem do livro; foi numa dessas promoções da Editora Fiel de e-books grátis :) que baixei e comecei ler no mesmo dia. O livro basicamente é uma exposição das consequências da revolução sexual do século XX na sociedade ocidental e uma deprimente previsão do que acontecerá nos próximos anos se nada mudar. Quem é leigo como eu no assunto, e está assistindo sem entender o crescimento do homossexualismo, aborto, pedofilia e todo tipo de distorção de valores morais nos últimos anos, não têm ideia do que está por trás e a gravidade disso tudo. O autor através de dados e pesquisas mostra que tudo isso, ou seja, a queda moral da sociedade, não é obra do acaso, mas é o cumprimento de uma agenda no mínimo diabólica que começou voltando lá, no século XX na revolução sexual. Que Deus nos ajude e se puder leia esse livro para entender mais do que eu estou falando.

Instagram